Sony Alpha SLT A77.

Comprei uma nova câmera, a do título, que é a mesma da foto abaixo.

SLT A77

A princípio não tinha intenção de comprar uma nova câmera, mas impulsionado por amigos e por uma promoção que a deixou com um preço atraente, adquiri o corpo.

A marca me sugestionou positivamente, porque já usava câmera Sony da linha/série DSLR Alpha – tenho uma A700 – e o meu uso exclusivo de lentes mecânicas de rosca m42 é facilitado nas Sony Alpha, bastando apenas o anel adaptador correspondente.

A77

Independente disto, a câmera me surpreendeu.

O visor eletrônico de nova tecnologia – OLED –  é ótimo; nítido ao extremo e com a possibilidade de incluir um histograma ao vivo (algo que acho importante porque fotografo basicamente me orientando por sua curva, que me auxilia numa técnica já descrita aqui mesmo no blog, chamada UniWB), uma régua de nível (pessoalmente não usarei) e várias linhas guias que podem ser escolhidas conforme o gosto e necessidade do usuário.

A77 Isto sem contar que tanto no LCD como no viewfinder é possível incluir todas as informações e dados técnicos com os quais a câmera foi configurada, bastando para isto fazer a escolha que mais lhe convier.

Uma outra característica interessante incorporada na câmera é uma feature que deixa a área que está sendo focada com contornos iluminados de cores pré-estabelecidas e que podem ser escolhidas entre as opções vermelha, amarela e branca.

É uma confirmação do ponto onde está posicionado o foco da imagem, ajudando bastante nas focagens em grandes aberturas, chamada Focus Peak.

Boa ergonomia, leve, com ajustes do corpo bem à mão, possibilidade de fotografia via LCD móvel da mesma forma que se fotografa no viewfinder.

Aqui um parêntese … a fotografia por LCD não é/era algo incorporado à minha forma de fotografar … não era.

Até eu me deparar com uma situação onde eu me abaixava para fazer a tomada ou não a fazia. A77

Como o LCD tem infinitas articulações, mostrou-se uma ferramente de muito poder em situações específicas.

Foi um dos pontos que, anteriormente com um pensamento preconceituosamente negativo, me fizeram repensar dogmas e preferências.

Aliado com a possibilidade de confirmar o foco de forma fácil através do ‘contorno iluminado’ torna-se de extrema facilidade usá-lo com objetivas de foco manual, que é o meu caso particular.

A Sony incorporou neste modelo a tela superior de informações que anteriormente só existia nas FF da marca.

É bom acessar as regulagens feitas na câmera sem precisar recorrer-se ao LCD ou Histograma, apenas dando uma leve abaixada na câmera, e ainda contando com um botão de confortável iluminação âmbar.

Por último um dos recursos mais comemorados em review’s e opiniões de analistas: o ISO 50.

A77

Quando combinado com uma lente clara e em situação de boa luz, abunda os arquivos raw’s com informações a serem exploradas que dá gosto de ver/tratar.

Se ao longo dos anos os usuários Sony classificaram a A700 como a top de linha da marca no segmento APS-C atribuindo-lhe uma nota 10, a A77 merece, sem dúvidas, uma nota 12.

De pontos negativos eu apontaria o botão on/off, que parece frágil, é mal localizado e pouco prático; o tempo de ligação, ligeiramente lento; e a possibilidade de visualizar através do viewfinder apenas se a máquina estiver ligada.

E algumas configurações do MENU que, comparado com o da A700, é confuso e precisa de mais passos como no caso de proteção de imagens, por exemplo, que precisa ser feito uma a uma.

Talvez seja questão de costume; mas no cômputo geral é uma excelente escolha para  a sua categoria, senão a melhor …

A77

A conclusão que cheguei depois de algumas semanas usando-a em situações diversas –  e eu não estou aqui fazendo propaganda gratuita alguma, pois não preciso – é que os usuários de outras marcas deveriam abrir os olhos para a Sony, que vem dotando seus modelos com tecnologias que ajudam nas capturas, favorecem a criatividade e deixam as máquinas mais cômodas e funcionais.

A77

E eu ia esquecendo … ela filma! … em full HD!

Não sei se o resultado é bom ou ruim, mas observando a parte fotográfica e como os engenheiros da Sony desenvolveram este modelo, não me surpreenderia se a qualidade de vídeo da A77 for superior aos seus modelos concorrentes … algo que eu acredito ser, mesmo não tendo usado-o ainda.

***

Obrigado por ver.

Clique nas imagens para ampliar.

Captura das Imagens: CZJ MC Flektogon 35/2.4, SMC Takumar 50/1.4.

Minha 1ª foto de 2013.

Cheguei na praia pra passar o dia e estava com a câmera pra fazer algumas fotos.
Eis que vem vindo este camarada super simpático com uma Nikon analógica em mãos.
Chamei ele pra conversa e ficamos uns 20-30 minutos de prosa.

Chama-se Pedro Amâncio, é fotógrafo profissional (vive de fotografia), não possui câmera digital.
Me perguntou se minha câmera era digital, e eu disse que sim mas que só usava lentes mecânicas.
Ele me disse que tinha esta Nikon com uma Nikkor 50/1.4 – mas confundiu-se e achou que sua lente era f/2, eu que o disse que era f/1.4 -e tinha uma Zenith 135mm … “mas eu não uso ela porque as pessoas ficam muito pertinho” …

Indaguei sobre sua câmera… “minha câmera é boa mas é muito pesada, tem velocidade até 1/1000, e eu sempre uso o Kodak ProImage 100 …”
Segundo ele um amigo iria trazer por R$ 1.500,00, mais ou menos, uma D3100 dos EUA pra ele.

Extremamente simples, humilde e simpático, me disse que estava na praia para fazer algumas fotos e ganhar um dinheirinho, que sempre fazia isto nesta época do ano.
No fim da conversa pedi para fazer um retrato dele, este abaixo, e ele foi super receptivo.

Pedro Amâncio

 

***

Obrigado por ver.

Captura da imagem: SMC Takumar 50/1.4.

Obrigado a todos os amigos que aqui vieram em 2012.

Os duendes de estatísticas do WordPress.com prepararam um relatório para o ano de 2012 deste blog.

Aqui está um resumo:

600 pessoas chegaram ao topo do Monte Everest em 2012. Este blog tem cerca de 2.100 visualizações em 2012. Se cada pessoa que chegou ao topo do Monte Everest visitasse este blog, levaria 4 anos para ter este tanto de visitação.

Clique aqui para ver o relatório completo